História

CEMITÉRIO

A Câmara Municipal do Porto escolheu o terreno da Quinta do Prado do Bispo para aí instalar o primeiro cemitério público da cidade. Após negociações entre a Câmara e o Bispo, em que interveio a rainha D. Maria II, foi concedida uma parte do terreno da referida quinta para nele se fazer o cemitério.

Em meados do século XIX, algumas irmandades negociaram com a câmara a aquisição de secções no Prado do Repouso, tendo sido a Misericórdia do Porto a primeira a fazê-lo. Na década de 1860-1872, outras secções privativas, foram instaladas no cemitério.

Assim nasce o Cemitério da Venerável Irmandade de Nossa Senhora do Terço e Caridade, em concretização da espiritualidade professada e vivida pelos Irmãos desta irmandade, a 1 de Junho de 1872 foi concedida à Irmandade de Nossa Senhora do Terço e Caridade, pela Câmara Municipal do Porto, uma parcela de terreno do cemitério ‘Prado do Repouso’ para sepultura dos seus confrades falecidos. Até então os irmãos eram sepultados na Igreja e claustro. Tal prática passou a ser proibida, por ordem governamental, a 8 de Setembro de 1851, por razões de saúde pública. Regido pelas normas legais e regulamentares dos cemitérios públicos, o Cemitério Privativo da Irmandade de Nossa Senhora do Terço e Caridade responde ao direito por morte, estatutariamente estabelecido para todos os irmãos, de sepultura e oração.